domingo, 12 de agosto de 2007

IZMAILOV E PAIXÃO


FC PORTO - SPORTING 0 - 1
Supertaça Nacional 2007-08
11 de Agosto de 2007
Estádio Dr. Magalhães Pessoa (Leiria)
Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal)
FC Porto: Helton; Bosingwa, Bruno Alves, Pedro Emanuel, Fucile; Paulo Assunção (Leandro Lima 84'), Raúl Meireles (Mariano González 78'), Cech (Kazmierczak 74'); Quaresma, Adriano, Lisandro. Tr: Jesualdo Ferreira
Sporting: Stojkovic; Abel, Tonel, Anderson Polga, Pedro Silva (Ronny 11'); Miguel Veloso, João Moutinho, Izmailov, Romagnoli (Gladstone 87'); Derlei (Yannick Djaló 87'), Liedson. Tr: Paulo Bento
Ao intervalo: 0 - 0
Marcador: 0 - 1 Izmailov 76'
CA: Paulo Assunção 2', Pedro Emanuel 10', Abel 17', Anderson Polga 59', Mariano González 86', Derlei 87', Liedson 90'+3'


Está entregue o primeiro título da temporada. Perante cerca de 22 mil espectadores, o Sporting conquistou a Supertaça Cândido de Oliveira, ontem à noite, em Leiria. Derrotou o campeão FC Porto por 1 - 0 e fez a festa de mais uma importante conquista, iniciando assim da melhor forma uma época que se adivinha longa e difícil. O espectáculo foi pobre, próprio desta fase ainda embrionária, embora fosse de esperar um pouco mais de qualidade de duas formações com responsabilidades no futebol português. Vi o jogo e não gostei, ponto!

A que se deveu este resultado desfavorável aos 'dragões'? Basicamente a quatro razões: à pouca audácia/ambição de Jesualdo Ferreira na abordagem ao jogo, que se manteve enquanto perdurou o empate; à falta de sorte, materializada em duas bolas ao poste; a um momento fantástico de inspiração do russo Izmailov, que resultou no único golo da partida; e, por último, a um erro do árbitro Bruno Paixão que, ao não assinalar um penalty claro por mão de Tonel na área, prejudicou os portistas e influenciou directamente o desfecho da competição. Mas vamos lá por partes.

Mal tive conhecimento da constituição dos onzes iniciais, não pude deixar de ter um mau pressentimento, com a colocação de Cech no miolo do terreno. Por que razão continua Jesualdo Ferreira a insistir, por vezes, neste jogador para o sector médio, sabendo-se da sua pouca dose de criatividade e capacidade para pensar o jogo? É com um meio-campo formado por três homens de características defensivas que Jesualdo quer ganhar as partidas? É assim que quer colocar em prática o seu discurso ambicioso? Que provas mais ainda precisa o professor para perceber que Cech como centrocampista não resulta (estou-me a lembrar, por exemplo, do banho que levamos em Londres, do Arsenal , na época passada)? Um clube como o FC Porto, campeão europeu e mundial recentemente, não pode jogar sem um armador de jogo, um '10', um pensador competente do futebol ofensivo. Se Leandro Lima é demasiado imaturo, então que se volte ao mercado urgentemente. Ou então que se teste um tecnicista como Mariano González nessa posição. Faltou Lucho González? Sim, é verdade, mas não sei se o argentino resolverá esse défice de imaginação, como sabemos ele é um médio de transição de eleição, mas não um 'playmaker'. Concebo Lucho a fazer de '10' apenas em jogos mais difíceis, talvez fora de casa na Champions, mas só. Ou seja: o meio-campo do FC Porto deve ter UM médio-defensivo (Assunção, Bolatti, Kaz, Meireles), UM médio de transição (Lucho, Meireles, Kaz) e UM médio-ofensivo (Leandro, Mariano ou... mercado!). Há aqui muitas combinações plausíveis, só é preciso é não inventar, não colocar os jogadores fora da posição, não ser medroso, perceber a grandeza deste clube. Jesualdo, arrepia caminho e repensa opções, senão um mau bocado se aproxima.

Paulo Bento apresentou a equipa esperada, procedendo apenas à adaptação de Pedro Silva a lateral-esquerdo, confirmando a pouca confiança em Ronny, sobretudo no aspecto defensivo, até porque pela frente se apresentavam Quaresma e Lisandro.

O jogo pautou-se sempre pelo equilíbrio, com as defesas a superiorizarem-se quase sempre aos ataques e com muita pressão de ambas as equipas sobre o portador da bola. O que deu origem a um jogo feio, pouco fluído, com muitos passes errados e escassas jogadas com princípio, meio e fim. Ainda assim, o FC Porto teve um ligeiro ascendente e andou mais tempo próximo da área leonina, nomeadamente através das subidas de Fucile - muito bom jogo do uruguaio - e de algumas arrancadas de Quaresma. Além de dois ou três cruzamentos de relativo perigo, enviou duas bolas ao poste da baliza de Stojkovic, uma de Quaresma e outra de Kazmierczak, entrado na segunda parte, esta logo após o golo sportinguista. Golo que apareceu aos 76 minutos, sem que nada o justificasse, na sequência de um pontapé explosivo de Izmailov de fora da área, com Assunção a ver jogar. Um momento de grande espectáculo, a provar que este médio vindo do frio é mesmo um reforço de peso. Estava visto que a sorte estava do lado do Sporting. Apesar de o FC Porto ter feito um jogo medíocre, chegou para ser superior ao adversário e para justificar um resultado diferente. Apesar de Stojkovic não ter efectuado uma defesa digna desse nome, os postes foram seus fiéis aliados.

Por falar em aliados... O árbitro da partida foi Bruno Paixão, o tal de Campo Maior. Quando o Tonel meteu a mão à bola no interior da área, eu vi, os jogadores viram e o público, a avaliar pela reacção vinda da bancada, também não teve dúvidas. Admito que Paixão não tenha visto (assim como o árbitro-assistente), admito que tenha visto mas tenha considerado bola na mão (o que é grave pois foi mão na bola indiscutível), admito que tenha sido um aliado apenas acidental. Mas que foi aliado foi. Que prejudicou o FC Porto e teve influência directa no resultado, não há dúvida. Que a Supertaça podia estar no Dragão caso ele tivesse marcado a grande penalidade que se impunha, isso podia. O que não diriam os Velhos do Restelo deste país se o lance tivisse sido o contrário? Isso todos sabemos. Nem são os erros arbitrais que mais revoltam, porque equívocos todos cometem e nunca hão-de acabar, ora a favor ora contra, hão-de continuar a existir. O que revolta é o tratamento que se dá a esses erros, consoante a cor das camisolas. O que revolta é a certeza de que a associação gratuita que se faz entre o processo 'Apito Dourado' e o FC Porto, está objectivamente a prejudicar o clube dentro das quatro linhas.

É por isso que vamos ser campeões novamente, revelando o nosso espírito de conquista e união absolutamente inigualáveis em Portugal. Doa a quem doer.

16 comentários:

Ruben disse...

Este post cheira-me a azia!! Não pude deixar de ficar contente com aquele grande golo do Izmailov. Ver a tromba do Pinto da Costa no final compensou ter que puxar pelos lagartos. É verdade que o Bruno Paixão deu uma ajuda ao Sporting, mas é para os portistas verem como é bom ser prejudicado, eles que foram beneficiados durante anos e anos. O Paixão não deve gostar de fruta!

Anónimo disse...

Os andrades andam com uma azia.. E umas doses de Rennie, não??! A Mama agora acabou. Sem frutinha, não há tacinha! Ah e não deixem de lavar os dentes.

Ricky_cord disse...

É verdade que ficou um penalty por marcar. É verdade que o Sporting teve sorte, mas também é verdade que Jesualdo foi bem melhor a falar antes do jogo do que em escalar uma equipa sem qualquer reforço de início e com três médios de contenção no onze. Também é verdade que Izmailov, que até estava a passar ao lado do jogo, marcou um golão e elas contam é lá dentro. Abraço

Anónimo disse...

esqueceram-se de lavar os dentes. mas com tanta fruta que comeram não devem cheirar mal da boca.
ass: xpto

Filipe Soares disse...

Uma excelente crónica do jogo, com muitas ideias parecidas com as minhas.
Começa a enervar esta tendência do Jesualdo para por 3 jogadores defensivos no meio-campo. Ele afinal tem medo de quê? Deste Sporting? Nesse jogo com o Arsenal ainda vá que não vá, agora com esta equipinha de meninos? Alguém que chame à razão este lampião infiltrado e lhe diga também para não dizer disparates antes dos jogos. Essa de lavar os dentes, só serviu para agora o ridicularizarem, está armado em Mourinho, mas caladinho é que é uma casa cheia!
Tivemos azar com as duas bolas no ferro, o Quaresma continua a ser pouco humilde e mau profissional, a pensar que é o melhor jogador do mundo. E o Bosingwa foi miserável. Só gostei mesmo do Fucile e do remate do Kaz.
Do árbitro, não vou falar, porque não quero baixar o nível aqui no teu blog.
Agora é ir ganhar a Braga e depois no Dragão a esta equipa de meninos. Senão o Jesualdo começa a ficar em maus lençóis. Quando for, já vai tarde...

Paulo Pereira disse...

A derrota, inesperada, pelo menos para mim, serviu já para transformar Jesualdo no saco de pancada predilecto da malta. E eu, como tu sabes, nem morro de amores pelo homem, dou agora por mim a defendê-lo. Mas tb não lembra a ninguém aquele meio-campo inicial, tornando a equipa tolhida, defensiva, sem qualquer pingo de fantasia. Depois do discurso da véspera, era de esperar um Porto mais dinâmico, mais atacante, com alguns dos reforços no onze inicial. E, é aqui que reside a minha réstea de defesa do treinador. Os reforços chegaram a conta-gotas, Lucho anda num vai e vem por esse Mundo fora e, possivelmente para se precaver, Jesualdo montou uma estratégia que lhe permitisse o controlo da partida, esperando depois um rasgo de génio de algum dos jogadores. Controlar, até que controlou, tornando o leão inofensio. Agora, centelhas de magia não existiram, exceptuando a de Izmailov, até então uma perfeita nulidade.
Custa-me, sinceramente, começar a época a perder mas, ainda pior, já com largas razões de queixa da arbitragem. Habilidosa é o mínimo que se pode dizer da actuação de Bruno Paixão. O resto, já devidamente escalpelizado, passou ao lado dos do costume: a imprensa subserviente, k nada viu, Soares Franco, acomodado num silêncio estranho, para quem uma semana antes vociferava contra os homens do apito, e mais alguns, entretidos com as notícias do Apito Dourado.
E assim vai o triste futebol português..

Como bem finalizas, e parece k eles ainda não se aperceberam, é neste tipo de clima de intimidação, que o Porto geralmente se revolta. Por isso, continuem com as provocações arbitrais, com os artigos noticiosos execrandos, k qd derem por ela já as faixas estão encomendadas.

Um abraço,

Paulo Pereira disse...

Quanto aos comentários de baixo nível, pouco ou nada a retrocar. Só umas achegas: não precisamos de frutinha para ostentar algo k os outros não têm. SEIS competições internacionais adornam o nosso museu, incluindo DUAS taças dos campeões (o sporting só mesmo pela TV é k sabe o k é isso) e DUAS vezes campeões do Mundo (roam-se de inveja).
Qt ao resto, está explicadom o elevado índice de ileteracia deste País. As pessoas até sabem ler, mas decifrar a mensagem é que é mais dificil. O Hábito de vencer, aludido por Jesualdo, referia-se à hegemonia do FCP no futebol luso, açambarcador da maioria dos títulos. Daí a metáfora do lavar os dentos regularmente. Jesualdo apenas deu um colorido a essa ideia facilmente perceptível, mesmo pelos QI's mais baixos. O Porto vence compulsivamente.

Divirtam-se enquanto podem

Felipe Leonardo disse...

Tomara que haja mais equilíbrio em 2007/2008. Espero por um melhor futebol por parte de Sporting e Benfica.

Abraço, Felipe Leonardo

Bruno Pinto disse...

Ricky, o Soares Franco também foi bem melhor a falar antes do jogo que depois. Nas declarações seguintes ao jogo parecia um cordeirinho, um menino do coro! Mas no fim do jogo com o Benfica, resolveu disparatar, já a pensar na Supertaça obviamente. Ou achas que ele estava mesmo preocupado com o que se passara no Benfica-Sporting e quis mandar um bitaite ao rival encarnado? Ele até estava tão amigo do Luís Filipe Vieira, posaram para a posteridade e tudo...
Sobre as declarações do Jesualdo, não achei nada descabidas. Nós, portistas, estamos habituados a ganhar e basta olhar para os títulos recentes. Ele declarou metaforicamente que ganhar naquela casa é um hábito e não houve nada de arrogante ou desrespeitador nisso. O que eu critico é ele não ter entrado para o jogo com a ambição que as suas palavras suposeram, mas isso é outra questão.
Quanto ao golo, não tenho problema em afirmar que foi espectacular e parece-me que Izmailov é mesmo reforço, embora não exagere como o outro, que disse que o russo poderia ser um novo Balakov... De resto, é verdade que contam as que entram, mas os penalties também são para ser marcados.

Filipe, sobre o Jesualdo já disse o que tinha a dizer. Não gosto quando se põe a inventar, quando denota receio, joga sem ambição. Mas falar na saída parece-me descabido. No FC Porto, um treinador não pode depender apenas da bola que bate no poste. Respeito quem não gosta dele, mas ele foi campeão, a procissão ainda vai no adro e, até ver, continuo a depositar confiança nele. Sobre o que disseste da falta de profissionalismo do Quaresma, discordo em absoluto. Os jogos nem sempre lhe correm bem, é verdade, e este foi um deles, mas se há alguém que tem revelado grande respeito pelo clube, é ele. Perante a possibilidade de sair, tem-se portado como um senhor, e mesmo quando deixar o FC Porto continuará a ter a minha admiração e gratidão.

Paulo, já disseste tudo, continuas em grande, até a aturar estes anónimos sem noção do ridículo. Eu confesso não ter pachorra para lhes responder, mas a tua tirada foi elucidativa. Os títulos falam pelo clube.

Felipe, mais equilíbrio que em 2006-07 é difícil, à entrada para a última jornada FC Porto, Sporting e Benfica tinham possibilidades matemáticas de serem campeões. Melhor só se fosse em igualdade pontual... Sobre a qualidade futebolística, tenho dúvidas mas oxalá que sim.

Abraços

Ricky_cord disse...

Bruno acho que não vale muito a pena falar muito nos árbitros, até porque quem hoje foi prejudicado amanhã vai ser beneficiado e vice-versa. Mas também sei que há certas derrotas que custam a encaixar... Abraço.

Bruno Pinto disse...

Ricky, claro, claro, só vale a pena falar nos árbitros quando é o FC Porto a ser beneficiado. Já estamos habituados a este tratamento em Portugal. E não é mania da perseguição, são factos incontornáveis. Mas foi o teu presidente que deu o mote para esta época.

Abraço

Ricky_cord disse...

Bruno acho que não vale a pena continuarmos com este "diálogo" que não nos vai levar a lado nenhum. Na segunda jornada já terão oportunidade de ganhar ao sporting de putos. Por mim, enterro aqui o "machado da guerra" e espero poder continuar a contar com os teus comentários construtivos no meu blog. Abraço

Filipe Soares disse...

Bruno, epá estou farto do Jesualdo, daquela atitude de quem pensa que está no Boavista ou no Braga e tem medo de perder. Tanto conservadorismo já chateia. Mais valia prescindir dele já, que depois pode ser tarde... Sobre o Quaresma, mantenho o que disse, aliás não sou só eu quem pensa assim. Ele é grande jogador mas aquela cabeça funciona mal.

gerson sicca disse...

Mesmo com as perdas, acho q o Porto vai atropelar de novo. Está muito a frente de Benfica e Sporting, embora o Benfica tenha feito algumas boas contratações.

PSousa*Bancada Directa* disse...

Gostei da crónica , com um ou outro pormenor "paixonado" que nada belisca o raciocinio...

Parabéns...

Paulo Dimas disse...

Apesar de o Sporting ter jogado muito bem, acredito no Porto, novamente, como o grande favorito a conquistar o Campeonato Português.
Abraços!