segunda-feira, 14 de maio de 2007

A MAGIA DO NÚMERO TRÊS


Ora digam lá se este campeonato não está fantástico! Pelo menos no que respeita a emoção, não me lembro de algo parecido. À partida para a última jornada, os três grandes estão separados apenas por dois pontos e ainda mantêm acesa a chama do título. Na liderança, o FC Porto é a única equipa que apenas depende de si, bastando-lhe para conquistar a liga derrotar o Aves, no Dragão, no próximo domingo. Sporting (a um ponto) e Benfica (a dois) seguem na perseguição, mas vão precisar de rezar, além de fazerem a sua parte de vencerem os respectivos encontros. As lutas pela última vaga na Taça UEFA e pela manutenção na 1ª Liga continuam também bem vivas, com três equipas envolvidas em cada uma delas. P.Ferreira, U.Leiria e Nacional na primeira e Beira Mar, Aves e Setúbal na segunda (a Académica, mesmo tendo perdido, já está a salvo). A 29ª ronda acabou por não decidir absolutamente nada e maior incerteza para a derradeira jornada era quase impossível.

O FC Porto foi a Paços de Ferreira empatar a uma bola, num jogo que se revelou tão complicado como o previsto. Mostrou novamente que não atravessa um bom momento e não se conseguiu exibir com a garra e determinação que se lhe exigia numa altura tão decisiva. Tão perto do título nacional, em vez de acusar nervosismo e ansiedade, deveria sim transformar a pressão sentida em auto-motivação e atitude ganhadora. Jesualdo Ferreira pode dizer que não sentiu nada de especial quando estava a perder e que sabia que o FC Porto era capaz de ganhar, mas a verdade é que os portistas estiveram cerca de 70 minutos virtualmente em segundo lugar e muito próximos de poderem perder o título para o Sporting. Não acho nada normal uma situação tão aflitiva quando a vantagem de que dispôs chegou a ser bem confortável. Antunes, de livre directo, deu vantagem aos pacenses. Adriano, num lance confuso mas revelador da capacidade de luta do brasileiro, restabeleceu o empate, marcando o golo mais importante deste campeonato para os azuis e brancos. Antes disso, Lucho e Postiga já tinham feito pontaria aos postes, concluindo jogadas que mereciam melhor sorte. O árbitro esteve globalmente em bom plano.

O Sporting deu seguimento à boa ponta final de campeonato e arrancou uma boa vitória no terreno da Académica por 2 - 0. Liedson a abrir e João Moutinho a fechar foram os autores dos golos, num jogo em que os 'estudantes' venderam cara a derrota. Embora os 'leões' tenham desperdiçado variadíssimas oportunidades, a turma de Manuel Machado também se revelou bastante perigosa, tendo inclusivé enviado uma bola à trave por Dame. O árbitro esteve bem ao assinalar um penalty a favor do Sporting (desperdiçado por Liedson, ou melhor, defendido por Pedro Roma), mas esqueceu-se de marcar outro a favor da Académica, por derrube claro na área de Liedson a Miguel Pedro. Belo jogo, magnífico ambiente, assim o futebol em Portugal fica mais atractivo.

A curta viagem do Benfica a Setúbal saldou-se por uma vitória magra mas justificada, tendo o tento solitário sido apontado por Miccoli, esse autêntico salvador da nau encarnada nos últimos tempos. A fraca assistência no Bonfim traduziu o pouco interesse dos benfiquistas por este jogo, algo que se compreende, uma vez que, no arranque desta jornada, a luta parecia cingir-se a FC Porto e Sporting. Mesmo tendo recuperado terreno para os 'dragões', o título não passa de um sonho, pois além de ter que ganhar na última ronda, terá também de esperar por uma derrota portista e um empate ou derrota do Sporting. Remoto, muito remoto.

No despique pela quarta posição, tudo na mesma entre Braga e Belenenses. Os bracarenses foram ao Bessa derrotar o Boavista por 1 - 0 (golo de Wender), ao passo que os azuis do Restelo bateram o Marítimo por 2 - 0 (golos de Garcês e Dady). Tendo como objectivo o sexto posto, o Nacional reentrou na corrida, ao bater o Beira Mar por 3 - 0, beneficiando ainda dos empates do U.Leiria frente à Naval (2 - 2) e do já referido do P.Ferreira diante do líder.

Na fuga à descida, o Aves não aproveitou as derrotas do Beira Mar e Setúbal, tendo perdido em casa frente ao E.Amadora por 1 - 0. Não deixou de ser o grande perdedor desta batalha particular, pois os adversários directos sucumbiram mas em embates muito mais difíceis. Mesmo assim, o conjunto de Neca continua acima da linha de água, já que detém vantagem sobre o Beira Mar nos jogos entre ambos.

Para a 30ª e última jornada desta liga, apenas o Marítimo-Boavista nada decide de relevante. Teremos portanto sete jogos verdadeiramente de nervos: FC Porto-Aves, Sporting-Belenenses, Benfica-Académica, Braga-Nacional, Beira Mar-P.Ferreira, E.Amadora-U.Leiria e Naval-Setúbal. Sou um adepto que gosta de fazer prognósticos e então no domingo que aí vem possivelmente teremos: FC Porto campeão, Sporting 2º, Benfica 3º, Braga 4º, Belenenses 5º, U.Leiria 6º, Beira Mar a manter-se no escalão maior, Aves e Setúbal a serem despromovidos. Haja coração para resistir a tanta emoção!

Uma referência para Leixões e Guimarães, que garantiram nesta jornada da Liga de Honra, a subida à 1ª Liga. Desde o começo, eram estes os dois clubes que queria ver promovidos, pela grandeza que possuem e pelo bem que podem fazer ao nosso principal campeonato, devido sobretudo às multidões que os seguem apaixonadamente. Oxalá tal apoio se mantenha na próxima época em todos os estádios. Parabéns a ambos!

Por último, uma perplexidade: o jogo Belenenses-Marítimo foi de entrada livre para toda a gente e mesmo assim só teve uma assitência de cerca de 7 mil pessoas. Há algo que está mal no futebol português ao nível do público, sendo certo que este não é o responsável por isso. Obviamente!

2 comentários:

Paulo Pereira disse...

Para um comum adepto, logicamente k este campeonato está ao rubro, cheio de emoção. Eu confesso k dispensava bem este nervosismo de última hora. Culpa própria, pela delapidação de uma vantagem confortável e por um conformismo inexplicável. Ainda ontem, durante a 1ª parte, se assistiu a um alheamento assustador por parte de alguns atletas portistas. Disso não tem culpa o Sporting, k vai fazendo pela vida. Mas convenhamos que já chateia tanta benesse:golos sempre madrugadores, penaltys k ficam por marcar (ainda ontem um cometido por Liedson)têm ajudado os leões a terem uma óptima ponta final.
Só me satisfez ontem, como tu fazes referência, a subida do Leixões e Guimarães. Quem tem uma massa adepta assim, tão fiel, merece a 1ª Liga. Pelo menos, teremos público nas bancadas.

tripeiro disse...

Não ganhámos para o susto!
O "filme" que vi ontem foi autenticamente de terror.
Tenho de admirir que cheguei a imaginar perder a primeira posição.
Felizmente não passou de um susto e espero que no próximo Domingo se retifiquem e que mostrem que merecem ser Bi-Campeões Nacionais!!
O FC Porto entrou muito mal no jogo, sem velocidade e com muita passividade. O Paços de Ferreira também não jogava melhor, mas teve a sorte de no primeiro ou segundo remate que fez à nossa baliza, marcar um golo. A responsabilidade é total para a barreira. Quanto o livre é cobrado, a barreira tem de estar unida e coesa e não foi isso que aconteceu!
Tinhamos de ir atrás do prejuízo e, convinha na primeira parte ainda, chegar ao empate, mas isso não aconteceu.
A esta altura já o segundo classificado (para variar) estava a ganhar logo desde os minutos iniciais. Assim nem é preciso jogarem. Basta quase os adversários jogarem mal.
Ainda tenho de perceber porque é que os adversários do scp sofrem golos no início da partida!! É para ajudar?? Parece.
Na segunda parte jogámos melhor, mas com condições climatéricas muito prejudiciais para um espetáculo de futebol.
Adriano foi o salvador da tarde ao marcar o tento do empate e possibilitar que continuássemos em primeiro.
Quaresma e Lisandro fizeram uma exibição muito má. Não gostei do jogo deles ontem.
Ao contrário, Adriano e Raul Meireles foram os melhores.

Um Abraço,
Tripeiro
http://magicoporto.blogs.sapo.pt